Mapa do Site

Destaques

destaques

Chocolate

Quais são os seus principais benefícios e malefícios?
Há que assinalar que o chocolate e os derivados do cacau são alimentos muito nutritivos e com excelentes benefícios para a saúde por conterem um antioxidante natural, os polifenóis, que ajudam a manter a saúde das artérias e do coração, prevenindo uma série de doenças, como as cardiovasculares. Também contém um aminoácido chamado triptofano que aumenta a produção de serotonina, conhecida contribuição para a sensação de prazer, resultando na melhoria do bem-estar.
Se o chocolate for de leite, deve-se adicionar aos seus benefícios a existência de cálcio, um mineral importante para a saúde óssea e dentária. Por isso, e ao contrário do que se diz, o chocolate não faz mal aos dentes. Afinal o que faz mal é não lavar os dentes.
 Depois, existem outros minerais com uma presença notável no chocolate. Destaco o magnésio, o potássio e o fósforo. Quanto às vitaminas, é rico em vitamina B1 (tiamina) e ácido fólico, micronutrientes indispensáveis na regulação do metabolismo.
É claro que o seu consumo excessivo pode resultar em consequências desagradáveis, sobretudo ao nível digestivo, mas isso acontece com o consumo excessivo de qualquer outro alimento.
Há também quem o acuse, erradamente, de provocar acne. O chocolate e o cacau não são a sua causa, apesar de o potenciarem, como qualquer gordura ingerida em excesso.

 

O chocolate faz bem à saúde?
Como pode observar na resposta acima, as suas características nutricionais fazem dele um alimento saudável. Desde que consumido com moderação como, de resto, acontece com qualquer outro alimento.

Qual é a quantidade recomendada por dia?
A palavra-chave é moderação. A quantidade diária recomendada varia em função do metabolismo de cada pessoa mas, em termos médios e num ritmo de vida dito normal, os especialistas consideram como razoável uma porção diária que ronde os 25 grs., ou seja um ‘quadradinho’ de tablete, uma ‘barrita’ ou um bombom. Claro que se tiver uma elevada actividade física ou uma prática desportiva acentuada, pode-se ‘permitir’ uma maior quantidade. Ainda assim, é de insistir que, independentemente do caso ou idade, o que se recomenda é um consumo moderado.

Qual é o mais e menos calórico?
Depende muito das versões e formas de o produzir. Dentro das formas de se fazer chocolate pode adicionar-se mais ou menos cacau, mais ou menos açúcar, mais ou menos gordura, frutos, entre outros. E é isso, fundamentalmente, que faz as diferenças a nível calórico. Em qualquer caso a composição de cada ‘tipo’ de chocolate está regulamentada em legislação especifica para este produto alimentar.

O chocolate ‘light’ engorda?
Essa designação não existe, nem é autorizada. Se pensarmos que todos os alimentos são veículos de calorias e que, inevitavelmente, contribuem para o balanço energético positivo no final do dia, pode dizer-se que sim. No entanto, existem no mercado composições que têm algumas vantagens se a questão do peso se puser. No fundo, teremos composições com mais reduzida quantidade de gordura, que acaba por ser o seu nutriente menos desejável. Isto se pensarmos em termos unicamente calóricos, porque já vários estudos comprovam que, esta mesma gordura que se tenta ‘demonizar’, tem uma quantidade de ácidos gordos monoinsaturados importante, que ajudam na prevenção de uma série de doenças.

Quem não deve comer chocolate em momento algum?
Pessoas que tenham alergia a qualquer um dos componentes associados ao fabrico do chocolate.

E as crianças. A partir de que idade é que podem comer chocolate?
Essa é uma questão ambígua porque depende não só da criança, como se o chocolate tem outros alimentos adicionados. Por vezes, o leite ou frutos presentes no chocolate podem provocar alergias em crianças muito pequenas ou se já tiverem um quadro de intolerância a algum dos seus ingredientes. Como acontece com qualquer outro produto alimentar.
Regra geral, se a criança já está numa fase avançada da sua diversificação alimentar, o que acontece por volta do ano e meio de idade, e não tem intolerância a nenhum dos ingredientes, pode começar a consumir a sua dose moderada de chocolate.

Qual é o seu efeito na pele?
Estão comprovados os benefícios do chocolate à sua aplicação a nível da estética, como um grande aliado no combate à celulite, pois ajuda a aumentar a tonicidade e firmeza da pele.

Provoca algum tipo de alergias, enxaquecas e obesidade?
Engorda se for comido em excesso, da mesma forma que engorda comer uma quantidade excessiva de qualquer outro alimento. É importante insistir que o consumo seja feito de forma moderada. Em relação às alergias, qualquer pessoa que tenha alergia a qualquer componente da produção do chocolate é alérgica ao chocolate. O mesmo se passa com outros produtos alimentares.

O chocolate pode causar dependência?
É essa sensação de bem-estar geral inerente ao próprio prazer de comer chocolate, que pode levar a essa ‘percepção’ agradável de ‘dependência’. Até mesmo o aroma é estimulante. Realmente importante é que sejamos moderados no seu consumo.

Qual é a melhor forma de vencer o vício do chocolate?
Não temos que vencer o vício do chocolate, uma vez que é um produto saudável. Temos apenas que o saber comer de forma moderada.

Existem chocolates especiais para pessoas que sejam alérgicas à lactose e ao glúten?
Sim, o mercado está bastante desenvolvido nesse sentido, havendo variadíssimas ofertas para estes casos. Existem produtos que indicam claramente no rótulo que são livres de lactose ou glúten, mas também se encontram chocolates, que não prejudicam esta população, na prateleira de um supermercado banal. Penso que quem sofre destes problemas está, de uma forma geral, sensibilizado e educado para ler os rótulos nutricionais antes de consumirem qualquer produto que não conhecem.

Dizem que comer chocolate alivia o stress. É verdade?
Sem dúvida, como pode ver na primeira resposta, se aumenta a produção de serotonina, que produz prazer e bem-estar, está a diminuir o stress.

E também é verdade que é afrodisíaco?
Quando se come chocolate, todos os sentidos são estimulados. Por exemplo, o aroma contribui, em muito, para o prazer imediato e, quando se derreter o chocolate na boca, estimula o paladar. Depois de ingerido, e mais uma vez, é a vez do triptofano fazer o seu papel e desencadear as tais sensações de bem-estar que já mencionei.

Existe alguma relação entre o chocolate e o humor?
Sim, como já foi explicado.

E qual o impacto deste produto no sistema nervoso central?
A produção de serotonina, um excelente contributo na prevenção de quadros depressivos.

Os melhores chocolates são aqueles com mais cacau?
Não podemos colocar a questão desta forma, pois todos os tipos de chocolate trazem benefícios para a saúde. O mais concentrado acentua os benefícios do cacau, o branco os da manteiga de cacau, e de leite salientam as vantagens do leite, o de frutos secos tem a vantagem da gordura monoinsaturada e até fibra, entre outros.

De que é feito o chocolate branco, amargo e de leite?
Actualmente é difícil dizer quantas apresentações de chocolate existem. Contudo os seus tipos e designações estão estritamente regulamentados na lei. Em comum, têm o ingrediente básico de qualquer chocolate, a semente de cacau. As suas diferenças estão na forma como são produzidos mas, em nenhum dos casos, as características e qualidades da semente ou pasta de cacau são afectadas. Por isso, mais do que nos preocuparmos de que são feitos, informação que, aliás, consta obrigatoriamente no rótulo nutricional, é fundamental que nos preocupemos se respeitem as regras básicas de salubridade, higiene, ou seja que estejam de acordo com a rigorosa legislação existente.

 

Dr. Manuel Barata Simões, Porta-voz da ACHOC
Revista Zen Energy


Voltar